O TEMPO




Eu amava o tempo quando era criança. Tinha tempo para tudo, entretanto achava que ele se esgotava nas melhores horas da brincadeira, mas na verdade já era hora de dormir e recuperar da canseira. Cresci e percebi que o tempo para as coisas boas passava rápido e para as dores devagar, era sufocante assim meu viver, mas o que fazer? Só restava chorar.
As dúvidas sobre o amor e solidão atormentavam meus pensamentos e o coração. Noites de insônia se arrastavam lentamente e acordava com um tremendo mal estar, porque não existe pior dor do que sofrer por amar, acreditar que o nosso amor pôs outro em nosso lugar. Gastei tanto tempo sofrendo, que bobeira, desperdiçar a vida com nostalgia e lamento.
Casei e quando nasceram os filhos o tempo passava tão depressa que somente na hora de dormir eu tinha um pouco de tempo pra mim, mas era um tiquinho de tempo, as crianças choravam, eu me levantava e pedia a Deus que elas crescessem, pois só havia tempo para as tarefas e mais nada. Mas ser mãe é padecer no paraíso. Quando eram pequenos, apesar do corre-corre, as suascuriosidades da inocência aliada as traquinagens me arrancavam muitos sorrisos. Elas cresceram e ficou um vazio na minha vida, eu era feliz e infelizmente não sabia.
Não sei se gosto mais do tempo, traz tantas perdas e sofrimentos, mas não posso me queixar, meus filhos são meu orgulho, independentes, maduros, e ainda me deram quatro netos para deliciosamente eu amar.
Sabe, eu não perdôo o tempo, levou minha juventude, minha beleza, meu viço, o brilho do meu olhar. Até a soberba adolescente que nos cega e pensa que nunca vai envelhecer e só percebe quanto vê tantas rugas no espelho aparecer. E as pessoas que amamos que ele leva sem avisar, isso maltrata tanto nosso viver, enfim, só peço a ele, que nunca carregue meus filhos e netos antes de mim, não sobrevivei a essa dor, de vê-los da terra partir.
Ainda assim tempo, agradeço por ainda estar por aqui, senão teria perdido tantas coisas que aconteceram e que me levaram ao céu de tanta felicidade, e quando um dia eu partir, levarei dentro do peito e sentirei muita saudade.
Desejo também que aqueles que tiveram junto a mim, nunca esqueçam que um dia estive no mundo e para outro lugar segui. Quero deixar uma boa lembrança do que eu plantei por aqui.
Sei que deixei quatro das melhores sementes, que reproduziram outras mais, quero que estes novos grãos continuem semeando o que sempre eu quis entre os homens: AMOR, ALEGRIA, SOLIDARIEDADE, RESPEITO E PAZ!
Ah tempo! Levarás tudo de mim! Pode fazer-me um favor? Vai devagar! Não tenho mais pernas pra correr atrás de ti! Deixa-me viver mais um pouco, saboreando cada dia, com fé, esperança, sonhos,
sem tristeza ou pesar, prometa-me também que só permanecerei enquanto mantiver minha lucidez! Agradeço a Deus porque não perdi minha essência, para ela não existe tempo porque não faz parte da carne, mas da alma, é pura consciência! Obrigada!

Autor: Maria de Deus Oliveira
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TRABALHO DE PESQUISA EM PEDAGOGIA

MITOLOGIA GREGA: A HOMOSSEXUALIDADE

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS PARA CRIANÇAS DE 03 A 06 ANOS