AMOR E PAIXÃO





 Maria de Deus Oliveira

As pessoas apaixonam-se loucamente, unem-se. Vem a rotina e abala as estruturas, cada um sentindo-se infeliz e a querer trazer de volta, aquele encantamento vivido no passado. Sentir a mesma paixão avassaladora que abalava as estruturas mental, corporal, espiritual e que  deixa no rosto um sorriso à toa e permanentemente afogueado, contabilizando com ansiedade os minutos para tocar, sentir o roçar da pele invadindo o seu ser, por meio dos múltiplos e frenéticos desejos. O amor entre os amantes não sobrevive sem paixão, mas apenas tão somente a paixão não  sustenta o relacionamento porque precisa de base sólida, acompanhada por muitos pilastes de carinho, afeto, respeito, lealdade, companheirismo, a cumplicidade, um pacto velado, mas apaixonado, de um fazer feliz ao outro. A paixão deixa os seres completamente loucos, surdos, mudos e cegos. Só enxergam o objeto de desejo e nada mais, enfim, quando ela acaba, cai à venda e quando se enxerga a olho nu o objeto da antiga fantasia, é terrível constatar como surgem repentinamente milhões de defeitos. É como antes de se colocar os óculos, vê-se tudo plano perfeito, mas quando o coloca, percebe-se todas as falhas, ou até mesmo, acredita que nunca conheceu aquela pessoa, era outra e que essa nunca existiu. Escafedeu-se? Ao amar se vê os defeitos, mas os acata, respeita a diferença e a individualidade. Não se deixe enganar pelo brilho. Sempre quando formos dar um passo que envolva sentimentos amorosos, todo cuidado é pouco para não pisarmos em falso, pois  lá adiante é que se percebe que  todos nós somos iguais  e a única diferença está na digital, ela é que coloca marcas profundas ou leves, verdadeiras ou falsas em nossa carne e espírito. É preciso ouvir à razão?  Ou ouvir o coração?  Colocar na balança os prós e os contra? Quem fez infeliz quem? Onde foi que eu errei? Onde foi que o outro errou? Onde erramos todos nós? A vida é um gira-mundo onde até as pedras se encontram. Não devemos nos entregar sem ter a certeza de que é para sempre, isso é leviandade,  porque O AMOR é o maior prêmio que se pode tirar na loteria, mas se não soubermos  administrar, nós perderemos  em primeiro lugar  os lucros e depois vai-se a falência total. Voltar de um profundo despejo de emoções torna nossa avaliação mais crítica ou totalmente cética, por isso para se ter equilíbrio emocional depende de um perfeito planejamento para se viver bem durante todas as horas, dias, semanas, etc. Se  não podemos ser nós mesmos diante do nosso par e se tivermos que passar um dia inteiro preso ao mesmo, sem  poder ter um minuto de suspiro sozinho, se isso nos dá ânsia ou tédio, causa sensação de pânico, corramos então bem rápido atrás da nossa enseada, estamos num terrível remanso. Deus nós acuda! O amor não é  coisa do outro mundo. É real quando somos essencialmente nós, transparentes, sem máscaras ou subterfúgios. A parceria com o outro deve ser clara, pura, confortável, sabendo dividir, partilhar e principalmente se doar por inteiro, sem temores de ser infeliz. A felicidade é colhida, quando plantada como se faz uma colcha de pequenos retalhos e que só acabamos de alinhavá-la quando nos restar apenas o último fio de boa vontade de  vida para o arremate final e dá o nó do amor que atará todos nossos bons sentimentos um ao outro. Assim, acho que vale a pena viver a dois, dividindo a cama, travesseiros, o lençol, os sonhos, os sorrisos, O AMOR, A PAIXÃO, debaixo do mesmo teto!      
 

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TRABALHO DE PESQUISA EM PEDAGOGIA

MITOLOGIA GREGA: A HOMOSSEXUALIDADE

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS PARA CRIANÇAS DE 03 A 06 ANOS