segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

PARA O MEU AMOR...










AUTOR: MARIA DE DEUS OLIVEIRA

Hoje
Fiquei pensando no meu intenso desejo
Nessa ardência...
Muita querência de te ver...
Percebo...
Que nada mais na vida faz sentido
Se eu não puder te amar
E ter de viver sem você...

Queria...
Estar no teus braços fortes e aquecidos
Queria...
Ser sua sombra, seu bem, seu querer
A luz, o axioma,
a essência dos teus sentidos
E vejo que nada disso fui, sou,
nem posso ser...

Queria
Estar na tua prece, ser a única devoção
Tua sua súplica a Deus
Para nossos sonhos realizar...
Ser a felicidade que faz o pulsar febril teu coração...
Então?...
Faz-me feliz, vasculha pelo vento,
Vem!...
Porque ainda há tempo de me achar..

sábado, 24 de janeiro de 2009

PAIXÃO


PAIXÃO! É dor que se alastra
Que adentra, queima o peito.
Qualquer coração despedaça
E fere quem pega de jeito!


PAIXÃO! Às vezes é trapaça
Quando se engana o sujeito
Quem teve só fogo de palha
Fez do parceiro um brinquedo!

PAIXÃO! É ventura ou desgraça?
Mas gostoso é sentir seu efeito.
Pois deixa o corpo em brasa
Que se inflama nos toques dos dedos!

PAIXÃO! Irmã gêmea da cachaça
Ninguém fica em juízo perfeito
Prazer, alegria, loucura abstrata.
Porre doido de amor sem cabresto...


Autor: Maria de Deus Oliveira
Quem nunca teve uma deliciosa paixão?
Passou pela vida e não viveu!
A paixão é saborosa, de sabor inigualável ...
Lambuze-se!!!!


sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

O ROMANTISMO NÃO ACABOU...





Sempre fico muito feliz quando verifico e ratifico que o romantismo não acabou. Onde guardamos e reside esse sentimento? Dentro do nosso coração ou no pensamento? Não importa porque bom mesmo é sentir e deixar fluir essa energia que abre para a nossa vida novos horizontes de alegria, emoções diversificadas e deliciosas de viver, desde que tenhamos a coragem assumir e demonstrar a todos que suspiramos e vivemos como seres humanos românticos.
Ninguém adivinha o que pensamos e o que queremos viver romanticamente. Precisamos nos expor se for preciso nos virar pelo avesso para que o outro perceba como somos, como gostaríamos de vivenciar uma vida romântica na vida real, trocando palavras das histórias de romance e demonstrar que as palavras amorosas não foram feitas exclusivamente para serem lidas nos livros, e sim, criadas para pronunciarmos carinhosamente para as pessoas a quem amamos, admiramos e consideramos que sejam imprescindíveis na nossa vida, que preenchem os nossos sentimentos íntegros de amor e torna a nossa vivência feliz e prazerosa
Ter vergonha de dizer pra alguém que o ama? Por quê? Não é vergonhoso e sim grandioso. Se não somos correspondidos, pode ter certeza, a pessoa que não corresponde, nem deseja esse amor, com certeza perdeu oportunidade de ser amada como nunca imaginou ser, não deu a chance de experimentar a fartura de saborear uma grande paixão, um incêndio maravilhoso que ferve, queima, mas não causa danos e sim momentos de intensa vibração calorosa, além da carne que acalenta e embala o outro de calor humano e muita felicidade. Saber amar além de ser uma bela e esplêndida arte é uma das mais belas virtudes, porque o amor é divino e consagrado por Deus.
Jesus nos amou e deu à vida por nós e poucos valorizam isso. Não podemos agradar a gregos e troianos, entretanto, é preciso ter receio dos presentes rotulados como de gregos que a vida ironicamente nos traz, porque são falsos e traidores. Quem tem um espírito aventureiro, mas é capaz de se apaixonar e defender com a própria vida a pessoa amada, desejo que não sofra a hostilidade sofrida pelo calcanhar de Aquiles, grande guerreiro, mas perante e em defesa do amor foi aniquilado e deixou-se abater até a morte em defesa da amada, como aconteceu em Tróia. Esse mito também retrata que todos nós temos um ponto fraco e que é preciso estar em alerta diante dos acontecimentos para que não sejamos derrubados pelas nossas fraquesas, porque apaixonados estamos vulneráveis aos sentimentos, mesmo aos não verdadeiros e cedermos diante do engano acreditando que seja a mais pura verdade.

Vamos amar mesmo que não sejamos amados como desejamos. Viver, sonhar, fantasiar platonicamente. Não pagamos pelos sonhos, mas, tem certa hora que eles podem tornar-se perigosos, então é preciso fazer um trato com seus próprios sentimentos e o coração. Se em vão procuramos e não encontramos o amor que tanto esperamos encontrar, não vamos viver debruçados em churumelas e a maldizer o destino.

Se não conseguimos conquistar o que almejamos, então vamos procurar amar o que temos a nossa disposição. Não custa dar uma olhada para os lados, por baixo, de frente, por cima, vamos catar mesmo e quem sabe, pode ser que aquele alguém, “pingo d’água em pedra dura, tanto bate até que fura”, transforme-se de sapo em príncipe e vice-versa. Todos nós precisamos amar sem medidas e viver o bálsamo que aquela magia do amor eterno é capaz de protagonizar e que jamais seja uma terrível contradição à nossa imaginação. Então, vamos dar asas aos nossos pensamento, sonhos e engendrar uma forma de ser feliz. Lembre-se que todos nós somos filhos de Deus! Então o que estamos esperando? Feche os olhos e abra o seu coração. Deixe o amor entrar de mansinho, porque a vida é curta e precisamos ser contemplados com a felicidade e ter a alegria de escrever o nosso inesquecível romance, um best seller, com uma história inusitada.
Contente para ser contentado e por isso desejo toda sorte do mundo para quem busca viver um grande amor, porque desejamos e merecemos ser parte desse contexto de doces aventuras, alegres e diversas maravilhosas loucuras amorosas, que somente os apaixonados conseguem viver e surpreender a pessoa amada: PURO ROMANTISMO!



segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

A SAUDADE





A saudade é uma dor encantada
Desonesta, se apossa do que é alheio..
Assombra de dia e de madrugada
Não deixa dormir, nem viver direito!

A Saudade é vazio, é uma loucura abstrata
Nunca vi sujeito vivo que dela escapa
É tão dolorosa, e sem fim seu começo
Ninguém nunca viu como ela se instala
Mas nos sentimos infelizes e amargas
Nada fica perfeito, vira tudo pelo avesso

A Saudade é mister de uma dor misturada
Que ninguém até hoje conseguiu dar jeito
Depois que finca suas dolorosas estacas
Dilacera a alma, e o lado esquerdo do peito!

A saudade é dor que permanece enraizada
E pode matar ou enlouquecer o seu efeito
E quando se perde no mundo pela estrada
Ai Deus! Invade a vida de qualquer sujeito!

AUTOR: Maria de Deus Oliveira

domingo, 18 de janeiro de 2009

O QUE SERÁ QUE FAZ VALER A PENA A VIDA?











O que será que faz valer a pena viver a vida?
Essa é uma pergunta com respostas subjetivas, porque, cada um de nós tem sua visão diferente de enxergar as coisas. A cada dia nos transformamos e os nossos desejos vão sendo substituídos por outros. O que era importante ontem, hoje já não nos traz mais felicidade.
A única coisa que percebo que nunca modifica na maioria das pessoas, é a busca frenética pelo status, e por ele o homem chega morrer envenenado pela gana do poder que vai extirpando silenciosamente por dentro o ser humano: seus nervos em frangalhos ; é pressão alta ou baixa demais; colesterol danoso e quando ele pensa que vai usufruir, infelizmente, ele parte desta para outra vida, se houver, porque essa é grande interrogação, a incógnita que convivemos diariamente, mas que pode nos levar a loucura se ficarmos ligados nesse assunto. É melhor esquecer, porque é a mesma coisa de querer controlar e saber quantas vezes respiramos por dia, com certeza vamos pirar.

É inacreditável, mas é a pura verdade, tudo aquilo que o ser humano persegue e constrói durante sua passagem na terra não tem valor algum, vai ficar tudo aqui, e pra lá, do outro lado, eu acho que deve ser tudo de graça, porque, não podemos levar nada no nosso último leito, onde vamos virar adubo para fertilizar a areia e trazer novos frutos para a natureza, será nossa única serventia.
Então o que será que faz valer a pena a viver a vida? Na minha concepção, é o amor, os momentos bons usufruídos com a pessoa amada, a família, os amigos, tudo aquilo que nos provoca risos, que nos faz perder o juízo, mas que nos traz felicidade perene, isso sim levaremos dentro de nós para eternidade ou para sempre. Um amor bem vivido com plena cumplicidade, que nos faz ficar rindo à toa quando recordamos aqueles momentos de pura emoção, alegria ou êxtase, isso sim é bom de recordar, alimenta a alma, o corpo, as vísceras, as entranhas e tudo fica completinho, sem nem um espacinho vazio, é copo cheio até a borda, que se mexer um tiquinho transborda.
É verdade também que precisamos ir à luta. Para ter uma vida saudável é preciso batalhar pelo sustento e realizar os sonhos que se tem como objetivo de vida, mas não com ganância, tudo tem um limite. É preciso retirar das ferramentas de trabalho a arrogância, soberba, impáfia etc. É bom lembrar nos momentos que nos deixamos levar pelos ataques de faniquitos que todos nós teremos um idêntico fim.
Acho mesmo que é o amor sim que faz valer a pena viver a vida. Toda aquela maravilhosa sensação, toda ardência da paixão, uma querência do outro ser, ai! Assim é bom viver! Com intenso prazer!.....
E já cheguei a uma conclusão: que é de amor que eu quero morrer!
AUTOR: Maria de Deus Oliveira

sábado, 17 de janeiro de 2009

MANJAR DOS DEUSES


Não compreende porque eu tanto te desejo? Se nem provei ainda o sabor do teu beijo? Saiba que foi tão perfeito, abalou meu sonhar... Então descobri em você a ação do verbo amar...
Vem pra mim, fazer-me feliz! Quer aprender? Descobre os meus desejos, os seus vou atender.Você é como luz, imã que me atrai, fascina. Não demore amor, ausência traz dor, não castiga...
Paz, harmonia, carinho sem censura, com fartura. Nunca sentirá rotina, solidão, tédio ou amargura. A minha vida deseja eternamente a ti pertencer. Meu olhar será feliz quando no teu resplandecer...
Espero um dia, sinta por mim o que sinto por você. Teremos uma cumplicidade inexplicável de prazer. O VERDADEIRO AMOR É POSSÍVEL E TRANSCENDE AO INFINITO! É O MANJAR DOS DEUSES, É MAIS QUE O CÉU... É PARAÍSO!
Autor: Maria de Deus Oliveira

sábado, 10 de janeiro de 2009

SOBRE O AMOR






A indiferença é a causa maior do distanciamento entre as pessoas. O que existe hoje de mais comum, são casais dividindo a mesma cama fisicamente, entretanto, espiritualmente ou mentalmente não há nenhuma sincronia. O olhar busca o teto, a TV etc., nunca um do outro. Não há mais qualquer esboço de prazer em se tocarem ou simplesmente conversarem. Entram em qualquer ambiente, “mudos e saem calados”. É como se houvessem habitantes de planetas diferentes entre quatro paredes.
Na maioria das vezes isso ocorre porque não queremos aceitar a outra pessoa como ela é, e essa, não quer ser aceita se não for pela maneira particular de ser, não a marionete que pretendem que ela seja. Defeitos? Todos nós temos, e assim as barreiras vão surgindo de tal forma que as pessoas preferem não enxergarem-se mais.
Muitas vezes acontece um fato no mundo e nos emocionamos até às lágrimas, mas, esquecemos de chorar pelo nosso próprio leite derramado, dores das pessoas que convivem conosco. Sem percebermos colocamos altos muros e intransponíveis entre os corações e mentes. Não damos à mínima importância se o que elas estão passando é digno ou não de choro. Não estamos nem aí! Por quê? Podem explodir-se, desaparecerem do mapa para dar lugar a alguém mais interessante, benevolente e que paparique nosso ego.
Quer anular o afeto e criar um longo distanciamento estando-se bem próximos? Use a indiferença. Ela mata qualquer sentimento em doses homeopáticas, enquanto o amor atencioso, mantém unidos, lado a lado, pessoas que se encontram dezenas e dezenas em quilômetros de distância.
Será que o fato de convivermos diariamente com uma pessoa, esse hábito, não nos deixa percebe-las e nem nota-las mais, ao ponto de considerar sem importância até enfeitar uma mesa para o almoço ou jantar? Joga-se pratos, talheres e panelas na mesa, de qualquer forma ta bom. Isso é tão contraditório para quem antes sonhava com jantares românticos à luz de velas.
Não caprichar na aparência, não se perfumar, não ter alegria em ser percebido nem notado por algo renovado para alegrar o olhar de quem nos vê constantemente? Também nem arriscar um rabo de olho para ver as transformações que o outro está exibindo? É um caminhar doloroso.
Como podemos querer mudar o mundo para melhor se estamos acomodados a uma vidinha sem sorrisos, sem charme, sem humor, sem atrativo algum, e principalmente sem luta nenhuma pelo que almejamos? Não tentar melhorar subjetivamente para os que nos cercam, não nos permite mudar o rumo do futuro, levantar a bandeira em prol da paz e ajudar a transformar a humanidade, se está arraigado o início de todos os problemas do universo, dentro da nossa casa: o desamor, a falta de solidariedade e boa vontade.
Precisamos nos enxergar melhor para nos verem com bons olhos. Conversar muito, nos unir mais, criar elos para laçar nossos corações, erguendo pontes entre eles, não permitindo que sejam construídas sobre safenas, porque assim esse órgão vital e palpitante ficaria bastante avariado. Demonstrar afeto, carinho, atenção, preocupação, quebra o gelo e destrói a indiferença.
O amor é transformador. Não morra de solidão e nem deixe ninguém morrer a míngua de carinho estando perto de você. Dar o braço a torcer é o primeiro passo, o segundo dar as mãos e o terceiro é o sorriso capaz de quebrar o gelo do orgulho que não leva a nada e a caminho nenhum. Goste de estar em sua casa com seu parceiro. O contato, a sedução, um cafuné, comidinhas especiais para depois do amor, podem ajudar a reestruturar qualquer sentimento ou relacionamento abalado, mas é preciso desejar acender a chama do desejo para o reencontro, promover a paixão de forma quê mude a rotina. A monotonia será substituída pelo prazer de dividir novas experiências e aventuras.
Procurar analisar o outro com um novo olhar, respeitando as diferenças e buscar sintonia. Rir bastante juntos, mesmo se a piada não tiver graça, o importante é estabelecer o diálogo contagiante e interessante para ambos.
É difícil recomeçar? É bem mais complicado do que começar, porque se começa no escuro. Só a convivência debaixo do mesmo teto é que mostra tudo às claras, como realmente somos. Mas se não tentarmos nunca como vamos saber? Ninguém tem bola de cristal para prever os acontecimentos.
Não se recupera o tempo perdido e não se deve gasta-lo perdendo mais coisas boas que poderíamos usufruir. É preciso alcançar os corações que se foram e os que querem partir por nossa total negligência. É de nossa exclusiva responsabilidade essa reconquista, porque sempre haverá tempo para amar, porque o amor não envelhece, não enferruja, não é volátil, mas pode evadir se não soubermos segura-lo.
A indiferença é igual à sede que temos diante do mar. Nunca saciaremos com aquele líquido salobro. Podemos morrer sedento com tanta água sobrando e bailando na nossa frente, porque só serve para ser admirada, usada, mas jamais consumida.
Busque a felicidade perdida. Recupere a magia dos primeiros encontros e deixe fluir novamente a sedução, o aconchego, o querer, o desejar e o tesão, porque, onde houve fogo de palha, qualquer centelha pode acender novamente a paixão e perpetuar o amor. Com certeza voltaremos a ser uma pessoa melhor e consciente que merecemos uma vida em harmonia com o mundo e paz com a nossa consciência.
Autor: Maria de Deus Oliveira.

www.alinhavandopalavras.blogspot.com

www.alinhavandopalavras.blogspot.com

Bem-Vindos!
Temas variados: trabalhos escolares orientados por mim e/ou assuntos que despertam a minha curiosidade, estudo e elaboro através de pesquisa. Trabalhos de outros pesquisadores. Em paralelo, a literatura, coisas que gosto de escrever, em diversos gêneros literários.

Nós os mais velhos somos os responsáveis por essa juventude que dominará no futuro nosso mundo, portanto, mãos a obra: Quem ama educa e nunca machuca!
Amar significa educar com liberdade vigiada até que o jovem possa dirigir sua vida com autonomia. É preciso aprender a valorizar o “SER”, porque as coisas se deterioram e a essência transcende. Infelizmente a vida é um enigma e nada podemos afirmar, porque se não houver vida após morte, morremos e nem saberemos quando isso acontecer, entretanto não custa nada ser bom, honesto, preservar a natureza para os nossos herdeiros, pois eles merecem viver num universo saudável como viveram nossos ancestrais.
Vivamos diariamente não como se fosse o último dia, mas com a alegria de poder viver mais um dia e conviver com as pessoas que amamos, oxigenar o corpo, ver a beleza que nos rodeia dia e noite e principalmente saborear momentos inéditos.
A vida não teria prazer se não houvesse sonhos, fantasias, crença na utopia, partilhar amor, amizade e o conhecimento que nos permite criar e apreender.
Venha participar deste espaço virtual, não como uma estrela cadente, mas como uma estrela ascendente que deseja pertencer a uma brilhante constelação de amizade e saberes que nos edifica como ser humano. Bem-vindo(a) a minha tela eclética em cultura, e você é quem decide o que deseja nos presentear.
Um abraço!
Maria de Deus Oliveira de Siqueira Alves.
http://www.ecleticoemcultura.blogspot.com/


Todas as ilustrações, exceto fotos de amigos e da minha família, (aliás, uma grande família) foram retirados do http://www.google.com.br/, pesquisa de imagens mais completa da web.

Respeite os Direitos Autorais

É preciso uma porção de amor em tudo que se produz!