Hum ... As dores da alma!...










Autor: Maria de Deus Oliveira

Por que será que as dores da alma nunca cicatrizam? São iguais a machucados das mãos e dos pés ou em outro qualquer lugar, que nas idas e vindas do nosso dia-a-dia, sempre acertamos em cheio no machucado e a dor aflora ainda muito mais forte.
Temos que ficar muito atentos para evitar um choque sobre essas feridas abertas na estrutura física para não piorar a infecção. Algumas vezes de tão machucados é preciso haver uma amputação para que sare definitivamente aquela parte afetada, senão provocará falência múltipla do corpo, ou viver uma vida quase vegetativa. São raros os casos de pedidos de eutanásia porque sempre existe aquela esperança de sobreviver com alegria e permanecer ao lado das pessoas queridas. Traumas corporais, cirurgias etc., essas dores esquecemos à medida que o tempo passa. Quando relembramos sabemos como descrevê-la, causa mal estar só de pensar, entretanto, não vivenciamos a intensidade da dor, mas as dores da alma são bem diferentes. Elas acentuam-se cada vez mais forte, violentam cada vez mais o nosso espírito. Muitas vezes perdemos o controle e na maioria dos casos aumenta demais o sofrimento e nos sentimos totalmente alijados.
Relembrar uma dor da alma afeta de tal forma algumas pessoas que estas não conseguem suportar e suicidam-se. Serão covardes ou muito corajosos se existe dentro de nós um forte sentido de preservação de vida? As dores não são mensuráveis, não têm forma e não se pode fazer comparação de quem sofre mais ou menos. Apesar de não ter peso e nem ser visto a olho nu, é a pior, o mais pesado fardo, e a mais danosa ferida carregada por alguém, as dores da alma. Para elas não existe remédio alopata, homeopata e nem curativo que sane. A sabedoria contida nas palavras, a correspondência dos sentimentos abstratos mais bonitos que existem, será capaz de operar o milagre da ressurreição da alma, como: amor, afeto, compreensão, saber ouvir, elevar a auto-estima. Com carinho demonstrar para aquele ser profundamente magoado que ele é imprescindível na vida de alguém porque o vazio provocado pela inutilidade do viver sem esperança de alcançar um dia à felicidade, o respeito, a dignidade, é uma sentença prematura de morte. Ser feliz é ter amor recíproco, respeitar a individualidade e o ritmo de cada um. Não nos cabe impor e nem tentar adaptar o outro ao nosso método de vida. A liberdade é a maior riqueza do ser humano que contagia a relação amorosa para viver momentos inesperados e surpreendentes. Dá a possibilidade de todos os dias vivermos a magia de novas descobertas, diante do sim, na permissão de sermos nós mesmos, porque é um direito nosso, e o não é permissivo, quando não existe razão em ser proferido.
Assuma o papel de maestro, daquele que tem o dom de harmonizar e administrar as divergências entre os instrumentos musicais para preparar um verdadeiro show. Faça da sua vida o maior espetáculo. Prepare o mais belo arranjo, componha através das controvérsias as mais afinadas e maravilhosas sinfonias, que proporcione alegria ao ser viver. Só nós podemos derrubar a depressão e vencer a melancolia. Ligue a tomada da energia positiva e viva feliz com muito amor próprio. Um divino dia para você!

Livro: Alinhavando Palavras - Sem pé, nem cabeça. I VOLUME
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TRABALHO DE PESQUISA EM PEDAGOGIA

MITOLOGIA GREGA: A HOMOSSEXUALIDADE

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS PARA CRIANÇAS DE 03 A 06 ANOS